Os países da América Latina e do Caribe estabeleceram três prioridades regionais para a FAO

Os países da América Latina e do Caribe estabeleceram as prioridades regionais que orientarão o trabalho da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) na região durante os próximos dois anos.

A Conferência Regional da FAO terminou hoje em Quito, Equador, após cinco dias de debates que contaram com a participação do Presidente do Equador, Guillermo Laso, do Primeiro Ministro do Haiti, Ariel Henry, do Vice-Presidente do Equador, Alfredo Borrero, 41 ministros e 23 vice-ministros de estado e o diretor-geral da FAO, QU Dongyu.

“A América Latina e o Caribe podem e devem enfrentar seus desafios e avançar para a vanguarda mundial da alimentação e da agricultura. A segurança alimentar do mundo exige isso”, disse QU Dongyu. “A melhor maneira de fazer isso é transformar seus sistemas agroalimentares para serem mais eficientes, inclusivos, resilientes e sustentáveis.”

Na Conferência, os países compartilharam suas inovações e as medidas que estão tomando para transformar seus sistemas agroalimentares. “Tenho o prazer de dizer que esta Conferência Regional termina com grande sucesso. Eles estabeleceram claramente seu roteiro regional para avançar em direção a essa grande transformação nas três prioridades regionais que endossaram”, disse QU.

“Gostaria de agradecer às delegações dos países membros por nos visitarem no Equador e estarem aqui para trocar opiniões sobre temas muito importantes para a região no campo da agricultura e alimentação”, disse o presidente da Conferência Regional, o Ministro da Agricultura do Equador, Pedro Álava.

586 pessoas participaram da Conferência, incluindo membros do setor privado, academia, sociedade civil e do Sistema das Nações Unidas, e 34 mil pessoas acompanharam as transmissões da Conferência Regional. Os países membros escolheram a Guiana como país anfitrião da próxima Conferência Regional, que acontecerá em 2024.

Três prioridades regionais

A construção de sistemas agroalimentares sustentáveis para garantir alimentações saudáveis foi uma das prioridades estabelecidas pela Conferência Regional. A FAO ajudará os países a garantir o acesso físico e econômico a alimentos seguros e nutritivos, promover alimentações saudáveis e políticas e programas para apoiar os 104 milhões de pessoas que vivem com obesidade e as 60 milhões de pessoas que vivem com fome.

“Na América Latina e no Caribe não há fome por falta de alimentos. Não há fome porque os agricultores não fazem o dever de casa. Há porque existe muita desigualdade e pobreza”, explicou o Representante Regional da FAO, Julio Berdegué.

A segunda prioridade regional da FAO são sociedades rurais prósperas e inclusivas: “Metade da população que vive nos campos da América Latina e do Caribe é pobre, uma em cada quatro pessoas vive em extrema pobreza e 82% dos que trabalham na agricultura e na pesca, fazem-no na informalidade”, explicou Berdegué.

A agricultura resiliente e adaptada às mudanças climáticas é a terceira prioridade regional da FAO. “Estamos fortemente comprometidos em frear o desmatamento, promover a pecuária sustentável e de baixa emissão e promover a recarbonização dos solos e a recuperação de agroecossistemas degradados”, disse Berdegué.

 

Inovação e digitalização

Segundo o Representante Regional da FAO, todas as prioridades regionais têm uma condição prévia: inovação. “Nosso compromisso é que cada iniciativa regional da FAO seja um motor de inovações e que cada projeto seja uma experiência de digitalização. A digitalização dos sistemas agroalimentares e das sociedades rurais é absolutamente necessária”, disse Berdegué.

A inovação é central para o Marco Estratégico da FAO 2022-2031: busca promover melhor produção, melhor nutrição, melhor ambiente e melhor qualidade de vida, sem deixar ninguém para trás, e foi analisada pelos países durante a Conferência para adaptá-la às suas necessidades e condições.

“Suas prioridades regionais são as raízes profundas que levarão o Marco Estratégico da FAO 2022-2031 aos solos férteis desta terra maravilhosa. Vocês devem assumir a liderança, porque a FAO é a sua Organização. Vocês nos governam e estamos totalmente comprometidos em trabalhar por suas prioridades”, concluiu QU.

Receba novidades no seu e-mail

Ipgs nas redes sociais