“O combate a fome é uma tarefa de todos”, destaca representante da FAO no Brasil durante a Virada ODS

O painel do ODS 2, de erradicação da fome e agricultura sustentável, encerrou no domingo, dia 10 de julho, a Virada ODS. O painel contou com a participação do representante da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) no Brasil, Rafael Zavala; da fundadora e CEO da empresa Goodr Co., Jasmine Crowe; do coordenador de programas de alimentos na Tailored Food, Taylor Quinn; e do fundador da JR Diesel, Geraldo Rufino.

Promovida pela Prefeitura Municipal de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Relações Internacionais, entre os dias 8, 9 e 10 de julho, a Virada ODS reuniu palestrantes nacionais e internacionais para discutir temas urgentes da atualidade, a exemplo de mudanças climáticas, combate a desigualdades sociais, promoção da equidade entre as pessoas, combate à fome, entre outros.

A Virada ODS, que contou com o apoio da Organização das Nações Unidas (ONU) no Brasil, contou com uma programação extensa para divulgação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Todas as atividades foram gratuitas para a população.

Durante o painel de combate à fome, o representante da FAO no Brasil, Rafael Zavala, destacou que apesar da fome ser o último tema a ser debatido, é também o mais urgente. “O combate a fome é uma tarefa de todos, e são necessários vários ingredientes. Um deles é o comprometimento, outro é a participação de todos os setores, como a iniciativa privada e as empresas, a sociedade civil, os diferentes governos, e a cooperação internacional”.

Na semana passada, a FAO mostrou em seu relatório “O Estado da Segurança Alimentar e Nutrição no Mundo 2022 (SOFI 2022)” que, em todo o mundo, até 828 milhões de pessoas passaram fome em 2021. Além disso, projeções mostram que cerca de 670 milhões de pessoas ainda enfrentarão fome em 2030 – 8% da população mundial–, o mesmo que em 2015, quando a Agenda 2030 foi lançada.

“Temos que ser inovadores, mudar como produzimos os alimentos, mas também temos que ser solidários”, reforçou Zavala, fazendo menção à fala do colega de painel, Geraldo Rufino. “O Brasil, com seus recursos e com seus habitantes pode ir em frente. O Brasil sabe como saber [para vencer a fome]”.

Dados do SOFI também mostraram que o Brasil voltou ao Mapa da Fome. A Prevalência de Subalimentação (PoU) entre os anos de 2019 e 2021 foi de 4,1%, cerca de 8,6 milhões de pessoas. Para que os países sejam considerados “fora” do Mapa da Fome, eles precisam apresentar uma prevalência menor que 2,5%.

Receba novidades no seu e-mail

Ipgs nas redes sociais