FAO e PNUMA convocam movimento no Brasil para reduzir perdas e desperdícios de alimentos

O Dia Internacional de Conscientização sobre Perdas e Desperdícios de Alimentos foi celebrado pelo segundo ano consecutivo. No Brasil, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) realizaram uma campanha digital de sensibilização e ações em conjunto com governos estaduais e municipais em várias regiões do país.

Nas redes sociais, a chefe de cozinha, sócia do grupo Maní e jurada do MasterChef Brasil, Helena Rizzo, alertou o público sobre o desperdício de alimentos na cozinha. “Em 2020, até 811 milhões de pessoas passaram fome. Parece contraditório que isso aconteça ao mesmo tempo em que se desperdiçam 931 milhões de toneladas de alimentos no mundo, o equivalente a 321 mil Maracanãs. Para mudar essa realidade, todas as pessoas precisam fazer seu papel”. No vídeo que teve mais de 83 mil visualizações, a Chef ainda fez um convite para que as pessoas tomem medidas simples, mas que são importantes para reduzir o desperdício em casa.

Já o engajamento com prefeituras promoveu a iluminação pública de monumentos na cor roxa em apoio simbólico à data, além de campanha nas redes sociais e atividades em colaboração com organizações locais que trabalham com o tema. Em Teresina, a Ponte Estaiada João Isidoro França foi escolhida pela prefeitura para lembrar a luta contra perdas e desperdícios. Em Recife, dois monumentos foram selecionados, o Ginásio de Esportes Geraldo Magalhães e a Ponte Estaiada. Já em Maceió, a Associação Comercial, prédio histórico e marcante da cidade, é que ganhou contornos roxos na noite de quarta-feira (imagem de capa). No Rio de Janeiro, o Arco da Lapa e o monumento Estácio de Sá se uniram ao movimento nacional.

O Governo do Amazonas por meio do Programa Estadual de Combate ao Desperdício de Alimento, realizou a entrega de duas toneladas de frutas e verduras para o Instituto Filadélfia da Amazônia. Já Prefeitura de Goiânia promoveu campanha digital e uma ação contra o desperdício na Escola Municipal Pedro Gomes de Menezes, que contou com apresentações de autoridades, alunos e professores da instituição, e o plantio de novas mudas com a equipe do projeto Horta Escolar. E a prefeitura de Rio Branco também aderiu mobilizando suas redes sociais.

 

Não há espaço no mundo para perdas e desperdícios

Reduzir as perdas e o desperdício de alimentos é essencial em um mundo onde o número de pessoas afetadas pela fome tem aumentado lentamente desde 2014, e toneladas de alimentos comestíveis são perdidos e/ou desperdiçados todos os dias. Com a pandemia da covid-19, a insegurança alimentar tornou-se ainda maior, em todos os países. Globalmente, cerca de 14% dos alimentos se perdem entre a colheita e a venda – no caso de frutas e vegetais perde-se mais de 20%. De acordo com um relatório lançado pelo PNUMA em março deste ano, o Índice de Desperdício de Alimentos 2021, cerca de 17% do total de alimentos disponíveis aos consumidores foram para o lixo das residências, varejo, restaurantes e outros serviços alimentares em 2019.

Regina Cavini, Representante adjunta do PNUMA no Brasil, lembrou que “a redução da perda e do desperdício de alimentos não é apenas importante no combate à fome, é também um meio poderoso de fortalecimento da sustentabilidade de nossos sistemas alimentares, redução das emissões de gases de efeito estufa e melhora da saúde planetária”. Para o Representante da FAO no Brasil, Rafael Zavala, “aumentar a eficiência de nossos sistemas agroalimentares e reduzir a perda e o desperdício de alimentos exige uma mudança de comportamento, bem como investimento em inovação, tecnologias e infraestrutura. Mais do que nunca, todos precisam repensar formas mais sustentáveis de produção, consumo e descarte de alimentos”, complementou.

*Com informações da FAO Brasil.

Receba novidades no seu e-mail

Ipgs nas redes sociais