FAO: 61,3 milhões de brasileiros sofrem com insegurança alimentar

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO/ONU) divulgou na terça-feira (6), o relatório Estado da Segurança Alimentar e Nutrição no Mundo (SOFI) 2022.

Os números da FAO/ONU para o Brasil foram coletados no período de 2019 a 2021 e revelam que 61,3 milhões de brasileiros enfrentaram algum grau de insegurança alimentar. Do total, 15,4 milhões enfrentaram situação de insegurança alimentar grave.

Esses números revelam uma piora significativa da fome no país, na comparação com o cenário entre 2014 e 2016, quando a insegurança alimentar atingia 37,5 milhões de pessoas, sendo 3,9 milhões passando fome. Segundo a projeção da FAO, em 2030, 670 milhões de pessoas passarão fome, número que equivale a 8% da população mundial.

Para o presidente do Conselho Federal de Nutricionistas (CFN), Élido Bonomo, os números apresentados são alarmantes. “O cenário atual é muito grave e precisamos ter em mente que existe uma tendência de piora no futuro. Estamos convivendo com o aumento dos preços dos alimentos, crise econômica, fatores que contribuem para empurrar parte da população brasileira para este cenário. Devemos cobrar o fortalecimento das políticas públicas, com ações mais assertivas, para garantir a segurança alimentar e nutricional do nosso povo”.

A pesquisa também mostrou que as mulheres foram mais atingidas pela insegurança alimentar. Em 2021, 31,9% das mulheres em todo o mundo enfrentavam a insegurança alimentar moderada ou grave, enquanto 27,6% dos homens estavam nessa situação.

O relatório foi lançado em parceria com outras agências da Organização das Nações Unidas (ONU), como o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), o Programa Mundial de Alimentos (WFP) e a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Receba novidades no seu e-mail

Ipgs nas redes sociais