Nós tratamos a obesidade, ou aumentamos os danos?

Falar sobre obesidade sempre causa polêmica. Hoje, há abundante literatura sobre o tema, o detalhe é que o entendimento sobre a questão está muito longe de ser consensual.

Por isso, hoje vamos aprofundar esse debate ainda mais. Vamos falar sobre obesidade e saúde, a prática de dietas e seus impactos, além de apresentar mais opções de estudos sobre o tema.

Confira o post completo abaixo!

 

Sumário

Obesidade e saúde

Obesidade e dietas

Impactos das dietas

Conclusões depreendidas da análise

Aprofunde o seu estudo

Referências

 

Obesidade e saúde

É importante ressaltar alguns pontos destacados em uma excelente revisão da literatura realizada por Memon, et all (ver referências) sobre o tema.

Sabemos que a obesidade é caracterizada por um excesso de gordura corporal, geralmente erroneamente definido por um índice de massa corporal (IMC) de 30 ou mais.

Muitos estudos associam a obesidade a diversos problemas de saúde. Alguns deles são diabetes mellitus, doenças cardiovasculares, apneia obstrutiva do sono e até câncer.

Contudo, há também outros trabalhos que apontam para muitos vieses e variáveis de confusão nesses estudos.

Outras pesquisas demonstram que a obesidade pode não ser o prenúncio de doenças, como a crença popular pode sugerir, embora isso também tenha sido criticado.

O que permanece de tudo isso é que, apesar de um consenso de que uma dieta inadequada associada a um estilo de vida sedentário sejam fortes contribuintes, as intervenções para promover a perda de peso, como dieta ou cirurgia bariátrica, não impediram o aumento da prevalência de obesidade em todo o mundo.

 

Obesidade e dietas

Fazer dieta é um método comum para tentar a perda de peso e a manutenção.

A dieta pode abranger uma variedade de mudanças na ingestão de alimentos, mas no caso de perda de peso, geralmente é definida como uma restrição na ingestão calórica.

Entretanto, o que se encontra fartamente na literatura é que as dietas como método de perda ou manutenção de peso não trazem nenhum benefício para a saúde geral.

Ao invés disso, normalmente acabam levando ao ganho de peso em longo prazo.

O problema é que pouca ênfase tem sido dada aos efeitos prejudiciais da dieta, principalmente os relacionados aos transtornos alimentares, e isso precisa vir mais à superfície.

 

Impactos das dietas

Alguns impactos das dietas na saúde e em pacientes com obesidade:

- Embora as dietas causem perda de peso a curto prazo, existem evidências substanciais de que as dietas não mantêm a perda de peso ou causam ganho de peso a longo prazo. Estudos têm mostrado que a maioria dos pacientes recuperao peso que perdeu com a dieta e com um período de acompanhamento mais longo se correlaciona com um maior ganho de peso, sugerindo que as dietas são ineficazes a longo prazo.

- Este ganho de peso é ainda mais evidente em pessoas magras que realizaram dietas restritivas. Citando estudos que acompanharam estas pessoas após o término da dieta e perceberam que durante o período de realimentação, os indivíduos tornaram-se hiperfágicos e comeram mais do que o período de pré-dieta, levando ao excesso de peso, demonstrando que qualquer restrição alimentar pode levar a um ganho de peso futuro.

- No geral, os estudos demonstram que fazer dieta é um método ineficaz de controle de peso, na melhor das hipóteses, e, na pior, contribui para o ganho de peso. Isso significa que mesmo aqueles considerados pelos padrões médicos como abaixo do peso ou com peso normal podem optar por fazer dieta para obter um número “ideal”, e se for verdade que fazer dieta pode causar ganho de peso, principalmente em pessoas magras, a insistência na dieta como mecanismo para manter, perder ou prevenir o ganho de peso futuro pode piorar a epidemia de obesidade.

- Pouca ênfase é dada aos impactos psicológicos da dieta na vida cotidiana. Inúmeros estudos, no entanto, mostraram os impactos negativos da restrição alimentar e da dieta sobre o funcionamento psicológico, concluindo que a restrição prolongada levava muitas pessoas a depressão, sofrimento emocional e irritabilidade.

- Há um forte sobreposição e obesidade e transtornos alimentares, há uma alta ocorrência de transtornos alimentares com obesidade. Embora a associação entre obesidade e transtorno da compulsão alimentar periódica tenha sido bem estabelecida e possa parecer intuitiva, a relação entre obesidade e anorexia nervosa foi amplamente ignorada, principalmente na infância, onde estudos revelam que fazer dieta na infância era altamente preditivo de desenvolvimento posterior de um transtorno alimentar.

- Dada ao aumento da prevalência de obesidade e dos transtornos alimentares, somada a alta prevalência de dietas não é exagero sugerir que há alguma relação entre fazer dieta e o desenvolvimento de transtornos alimentares.

- Embora a obesidade tenha uma associação com efeitos negativos para a saúde, pode-se argumentar que a dieta pode levar a efeitos piores, especialmente se o comportamento alimentar desordenado for mais comum do que se pensava. Isso é especialmente preocupante, pois muitos estudos mostram que fazer dieta é um método ineficaz para perda de peso.

 

Conclusões depreendidas da análise

- Fazer dieta é um método comum de controle de peso e pode acarretar mais riscos à saúde do que benefícios.

- A restrição alimentar é um mecanismo fraco para perda de peso e pode, em vez disso, contribuir para o ganho de peso.

- A dieta também pode levar ao desenvolvimento de distúrbios alimentares, que podem ser muito mais prejudiciais à saúde do que a própria obesidade.

- Se a dieta não ajuda os pacientes a perder peso e leva a efeitos adversos psicológicos e físicos, a comunidade médica deve revisá-la como uma recomendação para obter uma saúde melhor.

- Os médicos devem enfatizar os hábitos saudáveis gerais dos pacientes, sem focar estritamente na perda de peso.

- Independentemente dessas descobertas, o fato é que a dieta claramente não conduziu a uma solução para a epidemia da obesidade.

Este ponto vem ao encontro do que abordamos em nossa pós-graduação em comportamento alimentar quando abordamos a obesidade e os transtornos alimentares: apesar de tantas evidências contraditórias a respeito da obesidade e da dieta, por que continuamos recomendando dieta aos nossos pacientes?

 

Aprofunde o seu estudo

A Faculdade iPGS possui um curso de especialização inteiramente dedicado ao estudo do Comportamento Alimentar.

Lá, abordamos com profundidade tudo de mais relevante ligado à fome emocional, além de muitos outros mais.

Por isso, há vários motivos para você conhecer mais sobre o curso:

A especialização em Comportamento Alimentar proporciona ao aluno o conhecimento adequado e necessário para instrumentalizar nutricionistas e demais profissionais para realizar uma mudança efetiva e natural no comportamento alimentar dos pacientes.

A abordagem do programa é fundamentada em estratégias contemporâneas de aconselhamento nutricional, entrevista motivacional, técnicas de terapia cognitivo-comportamental, técnicas do comer intuitivo e do comer consciente, que possibilitam ao profissional conduzir no paciente o desenvolvimento de um saudável comportamento alimentar durante as consultas.

Entre as disciplinas estudadas no curso, estão Fundamentos do Comportamento Alimentar, Psicologia Aplicada ao Comportamento Alimentar, Aconselhamento Nutricional nos Ciclos da Vida, Transtornos do Comportamento Alimentar, e o Tratamento do Comportamento Alimentar em Doenças Crônicas.

Por estar gerando cada vez mais interesse no público, o Comportamento Alimentar é uma especialidade com uma demanda crescente de profissionais no mercado.

Se você pensa em fazer uma especialização para alavancar a sua carreira ainda mais, e deseja também agregar qualidade de atendimento e conhecimento científico, em um segmento da Nutrição que segue em expansão, o Comportamento Alimentar é uma excelente possibilidade.

 

Referências

Memon AN, Gowda AS, Rallabhandi B, et al. Have Our Attempts to Curb Obesity Done More Harm Than Good?. Cureus. 2020;12(9):e10275. Published 2020 Sep 6. doi:10.7759/cureus.10275.

*Organização e autoria: Rafael Marques Soares, coordenador da Especialização em Comportamento Alimentar da Faculdade iPGS.