Saiba tudo sobre alergias alimentares

Você quer aumentar o seu conhecimento sobre alergia alimentar? Pois o nosso post do blog de hoje é exatamente sobre isso!

Vamos falar sobre esse conceito, além de falar dos 8 alimentos que mais causam alergias alimentares, e também demonstrar a diferença entre essa reação e outras, como a intolerância à lactose.

Confira o post completo abaixo!

 

Sumário

O que é alergia alimentar?

Sintomas de alergia alimentar

Principais causas

Alimentos que mais causam alergias

Outras reações a alimentos

Pós-Graduação em Nutrição Clínica em Patologias

FAQ

 

O que é alergia alimentar?

A alergia alimentar se caracteriza por ser uma reação inflamatória que é desencadeada por alguma das substâncias que estão presentes no alimento ingerido pela pessoa.

Essa situação pode normalmente levar ao surgimento de sintomas em diferentes partes do corpo, como mãos, rosto, boca e olhos, além de também poder afetar o sistema gastrointestinal e respiratório quando a reação é mais grave.

Na maioria dos casos, os sintomas de alergia alimentar são leves, podendo ser observada coceira e vermelhidão na pele, inchaço nos olhos e coriza.

No entanto, quando a reação do organismo é muito grave, os sintomas podem colocar a vida da pessoa em risco, já que pode haver sensação de falta de ar e dificuldade para respirar.

Por isso, é importante que o paciente vá a um especialista para que seja identificado o alimento responsável pela alergia, para que o seu consumo possa ser evitado e, assim, diminuir o risco de complicações.

 

Sintomas de alergia alimentar

Como mencionado, os casos de alergia alimentar costumam deixar sintomas nos pacientes. Esses sintomas podem surgir até 2 horas após o consumo do alimento responsável por desencadear essa reação alérgica.

Os sintomas variam entre os pacientes, sendo alguns dos mais comuns:

• Coceira e vermelhidão na pele;

• Inchaços;

• Aftas;

• Dificuldade de respiração;

• Coriza;

• Dor de garganta;

• Dores abdominais;

• Diarreia.

 

Principais causas

A alergia alimentar pode ser desencadeada por qualquer substância presente no alimento consumido, sendo mais comum de acontecer em pessoas que possuem histórico na família de alergia.

Segundo dados da Asbai, a Associação Brasileira de Alergia e Imunologia, estima-se que as alergias alimentares atinjam cerca de 6% das crianças menores de três anos, e 3,5% dos adultos.

Durval Ribas Filho, nutrólogo e presidente da Abran (Associação Brasileira de Nutrologia), afirma que os sintomas são mais comuns em bebês e crianças, mas surgem em qualquer idade.

Apesar de poder ser causada por praticamente qualquer alimento, existem alguns alimentos que costumam causar mais alimentos do que outros, como veremos a seguir.

 

Alimentos que mais causam alergias

Qualquer alimento pode ser alergênico, ou seja, capaz de causar reações alérgicas em algumas pessoas.

No entanto, segundo a Opas (Organização Pan-Americana da Saúde), órgão vinculado à OMS (Organização Mundial da Saúde), há oito alimentos que são responsáveis por 90% de todas as reações alérgicas alimentares no mundo.

Confira abaixo:

Leite de vaca

A bebida é considerada a principal responsável por alergias alimentares na infância, mas adultos também podem apresentar a reação. Geralmente, há uma reação à proteína do leite, principalmente a caseína. É comum que surjam sintomas como vômitos, refluxos, diarreias e cólicas.

Peixes

Para a maioria das pessoas, consumir peixes é um hábito saudável. Porém, a alergia ao alimento está entre as mais comuns no mundo: atinge cerca de 2% dos adultos, de acordo com dados da OPAS. É considerada uma das principais causas de anafilaxia e ocorre com maior frequência em países onde há alto consumo do alimento.

Frutas secas

As frutas secas também estão na lista dos alimentos que provocam reações alérgicas. Os sintomas variam de um prurido oral até casos graves. Nesses casos, o ideal é excluir esses alimentos da dieta e optar por frutas in natura.

Frutos do mar

Apesar de apreciados pelo sabor, os frutos do mar também ocasionam manifestações alérgicas graves, que, se não tratadas rapidamente, levam à morte. Entre esses alimentos, podemos citar camarão, caranguejo e lagosta, moluscos e ostras.

Cereais

Alimentos como cevada, centeio, aveia e trigo também causam alergias alimentares. Os sintomas surgem alguns minutos ou horas após o contato ou a ingestão do alimento, afetando a pele, o trato gastrointestinal e a respiração da pessoa.

Amendoim

A alergia ao amendoim também é bastante comum e, na maioria das vezes, causa reações severas logo após o consumo do alimento. Às vezes, o contato direto com a pele ou inalar substâncias derivadas do amendoim já acarretam sintomas alérgicos.

Ovo

O ovo é um alimento bastante consumido em todo o mundo por ser versátil e nutritivo. Porém, provoca alergias alimentares que aparecem logo nos primeiros meses de vida e também na fase adulta, quando o sistema imune identifica as proteínas da clara como um corpo estranho, desencadeando uma reação alérgica. Logo após o consumo, é comum que surjam reações cutâneas como erupções ou inchaços, além de dificuldade para respirar, espirros, olhos lacrimejantes, náuseas e vômitos.

Soja

Apesar de não ser frequentemente consumida em grãos, a soja está presente na composição de vários produtos alimentares e pode causar alergia. Geralmente, as reações alérgicas aparecem em bebês e crianças menores de três anos. Raramente, uma alergia à soja acarreta anafilaxia, mas aparecem sintomas leves como urticária ou inchaços.

 

Outras reações a alimentos

Nem todas as reações que os pacientes têm em sua nutrição são necessariamente reações alérgicas.

A intolerância alimentar, por exemplo, difere de uma alergia alimentar, porque não envolve o sistema imunológico.

Em vez disso, trata-se de uma reação do aparelho gastrointestinal, que produz um distúrbio digestivo.

Uma das situações mais recorrentes, por exemplo, é que algumas pessoas não têm uma enzima necessária para a digestão do açúcar no leite, o que gera a famosa intolerância à lactose.

Assim como na alergia alimentar, a dica é suprimir da dieta do paciente o alimento que causa essa reação.

 

Pós-Graduação em Nutrição Clínica em Patologias

Para quem busca aprofundar a sua formação profissional e se tornar especialista em Nutrição Clínica em Patologias, a Faculdade iPGS dispõe de um programa de pós-graduação inteiramente dedicado à área.

O curso de especialização em Nutrição em Patologias amplia a compreensão do aluno referente à relação entre a nutrição e as fases de saúde e doença dos pacientes, carências nutricionais, atualizando também o conhecimento do profissional em terapia nutricional, através do estímulo à reflexão crítica e da associação entre teoria e prática.

São abordadas ao longo do curso as principais Patologias da Nutrição que acometem a população, como as alergias alimentar, com enfoque na elaboração do plano nutricional respectivo para a sua prevenção ou para o seu tratamento.

Ademais, são estudadas técnicas dietéticas e gastronômicas que auxiliam na preservação e no melhor aproveitamento de nutrientes, favorecendo a recuperação do paciente.

Se você busca um diploma de especialização em uma das áreas em maior demanda dentro da Nutrição atualmente, podendo trabalhar em hospitais, clínicas particulares, no sistema de saúde público, em consultórios e também com pesquisa, esse curso é ideal. 

Além disso, uma ótima opção de curso mais dinâmico e certificação mais rápida é a nossa mais recente novidade, o curso livre Alergias Alimentares: Manejo Nutricional. Esse é o curso ideal para você ter autonomia e segurança no atendimento de pacientes mono ou polialérgicos, em qualquer fase da vida, se destinando a nutricionistas e estudantes de Nutrição que tenham interesse em atuar em consultórios, clínicas ou hospitais.

 

FAQ

Quais são os 8 alimentos que mais causam alergias alimentares? Leite de vaca, peixes, frutas secas, frutos do mar, cereais, amendoim, ovo e soja.

Intolerância à lactose é uma alergia alimentar? Não, pois trata-se de uma reação do aparelho gastrointestinal, e não uma reação imunológica.

Quanto tempo dura a Especialização em Nutrição em Patologias? 12 meses.